O seu navegador está desatualizado!

Atualize o seu navegador para ter uma melhor experiência e visualização deste site. Atualize o seu navegador agora

×

O crédito consignado é um importante instrumento de inclusão social conquistado pelo brasileiro. A opinião é do membro do Conselho de Administração do Banco Cruzeiro do Sul, Fabio Rocha do Amaral.

Para o executivo, o crédito consignado é uma modalidade desburocratizada e de fácil acesso que, por contar com taxas de juros mais baixas, não aumenta o endividamento da população.

“Os empregadores ou instituições previdenciárias concedem o acesso ao débito de parcelas nas folhas de pagamento, os trabalhadores autorizam a cobrança automática em seus vencimentos mensais e as instituições financeiras têm o direito de cobrar diretamente da folha os empréstimos tomados, facilitando a liberação do crédito”, aponta.

Amaral ressalta ainda que o fato do pagamento das parcelas acontecer com débito na folha de pagamento reduz o risco de inadimplência e, consequentemente, as taxas de juros. “Caem os custos de administração das carteiras de crédito, permitindo às instituições financeiras praticar taxas de juros muito menores, que giram em torno dos 2% ao mês”, diz.

Avanço da economia
Para ele, a popularização deste tipo de crédito contribuiu para o avanço da economia do País nos últimos anos, ao proporcionar um maior nível de consumo a esta parcela da população.

“O consignado permite que o consumidor possa planejar melhor suas compras, pagando juros mais baixos, organizar suas finanças, adquirir bens e serviços pagando taxas menores, além de ajudar alguns devedores a negociar dívidas antigas, gerando economia de recursos que podem ser usados para finalidades mais essenciais”, aponta.

Segundo ele, o crédito consignado é responsável pela maior parte dos recursos emprestados pelo SFN (Sistema Financeiro Nacional). “Por volta de 60% são provenientes dessa modalidade, responsável em março passado, por exemplo, por um volume de financiamentos de R$ 142,9 bilhões, segundo dados oficiais do Banco Central do Brasil”, diz.

InfoMoney, 24/06/2011

Outras notícias

Apimec e Ufrgs oferecem curso de formação e aperfeiçoamento de profissionais para o mercado de capitais

Leia mais

Classe D já consome 90% das categorias do carrinho de compras da classe C

Leia mais

Acadêmico vê experiência do País em lidar com crises

Leia mais